Utilizamos cookies para melhorar sua experiência no site.
Ao continuar navegando, você está ciente e de acordo com nossos Termos e Políticas de Privacidade.
Concordo

Quem quer um conselho?

login
área do
anunciante
anuncie
divulgue
seus serviços!
pt
Idioma Atual
espaço
 
Topo menu
 
 
Cadastre seu e-mail para ficar informado sobre as novidades do Guia de Massagem.
Base menu
 
 
Selo Certificado SSL

espaço


Publicado em 27/10/2020
Compartilhar com o Facebook Compartilhar


Quem quer conselho?

 
Imagem 794 de Quem quer conselho?
Você já pediu um conselho? E já deu algum? Você já deu um conselho e ajudou alguém? Já deu um conselho e foi ignorado? Deu um conselho e acabou embananando a vida de uma pessoa?

Começo esse texto com uma brincadeira, apostando que silenciosamente você mencionou “sim” para a maioria das perguntas. São algumas situações da vida que nos entrelaçam com esse tema. Ele parece tão cotidiano, que algumas vezes os banalizamos e não paramos para pensar nas reais repercussões que os conselhos podem ter. 

Os conselhos são espécies de opiniões, avisos ou ensinos do que cabe ao outro fazer, pensar ou sentir. Em alguma medida, o conselho expressa o que o conselheiro faria no lugar de alguém.  Há um ditado popular que brinca que se o conselho fosse bom ele não seria de graça, mas eles não são bons ou ruins a priori. Eles podem acabar ajudando, mas podem atrapalhar também. Vamos pensar em algumas possibilidades da qualidade que os conselhos podem adquirir em nossas vidas, e quando devemos pedi-los ou transmiti-los.

Quando pedir um conselho?

Imagem 796 de Quem quer conselho?
Algumas vezes não sabemos qual decisão devemos tomar. Quase sempre se trata de situações que envolvem uma “escolha difícil”, ou seja, quando os caminhos são quase igualmente bons, quase igualmente ruins, ou envolvem vantagens e desvantagens muito complexas. Os conselhos são pedidos pela busca  de compartilhar as próprias decisões com os outros, e para se adquirir um sentimento de segurança. Além disso podem ser pedidos por haver certa dificuldade em arcar com a responsabilidade da própria decisão. É importante ressaltar que essas hipóteses não se anulam, ambas podem ser verdadeiras: “me sinto seguro ao me isentar da responsabilidade das minhas decisões”.

Em muitas situações, no entanto, não se tratará da isenção total da reponsabilidade, mas da busca da pluralidade de opiniões e visões de mundo, com o intuito de enriquecer o próprio repertório pessoal, e possibilitar a emergência de uma nova configuração de “visão de mundo”. Nesse caso, também pode haver a emergência de um sentimento de segurança que contradiz o desamparo inicial “não tenho ideia do que fazer”. 

Descritas essas possibilidades é importante avaliar o quanto você está buscando a isenção da responsabilidade e quanto você está buscando enriquecer o próprio repertório. Para todos os fins, as consequências das suas decisões serão predominantemente suas (e eventualmente irão atingir outras pessoas, por isso, sempre que possível vale consultá-las). Algumas dessas consequências serão previamente avaliadas e controladas, outras serão novas e espontâneas. Lidar com o imprevisível faz parte de tomar uma decisão, além de “bancar” os aspectos conscientes e inconscientes que nos levaram a escolher o que quer que fosse.

Essa reflexão nos leva a uma outra pergunta:

Quando dar um conselho?

Imagem 797 de Quem quer conselho?
A resposta para essa pergunta parece estar relacionada com a reflexão acima. Vale compreender o motivo da pessoa ao te consultar, para averiguar se é o caso de dar um conselho ou de se calar. Caso você decida dar o conselho é muito importante enfatizar que você está colocando uma percepção que faz sentido para você, ou seja, não necessariamente fará sentido para outra pessoa. Se esse momento for um encontro autêntico entre duas pessoas, será produzido um diálogo, no qual haverão ideias prévias, exposições de contradições e formulação de novas ideias ou pensamentos. Isso quer dizer que alguma coisa muda, tanto de quem dá o conselho quanto de quem ouve, mas não deve haver importação da ideia do outro como se fosse sua.  

Então, se for dar um conselho é importante lembrar que você não é o dono da verdade, e suas sugestões não são ordens. Se você precisa ser “obedecido” ao dar o conselho, vale reavaliar o possível lugar de poder que essa relação envolve. Esse é um ponto bastante importante. Há uma condição assimétrica no aconselhamento, na medida em que parece que alguém ajuda outro alguém que precisa de ajuda. Para que isso não caia em um contexto autoritário, é importante se ausentar da relação de quem diz ao outro o que ele deve fazer, mas ocupar o papel de alguém que se importa com aquela pessoa, e que pensa junto com ela o que ela pode fazer, sem mandar nela.

Finalmente, podemos pensar em nossa última pergunta:

Quando não dar um conselho?

Tendo em vista que um conselho pode ser falar o que alguém deve fazer, seriam raros os momentos que deveríamos fazer isso. Como exposto anteriormente, podemos refletir junto com o outro possibilidades de ação e pensamento, mas sem dar ordens. Algumas vezes, no entanto, pode ser melhor estar junto ao outro, mas sem guiá-lo.

Uma possibilidade é a própria indisponibilidade emocional que podemos ter em aconselhar alguém. Algumas vezes, aconselhar pode exigir certa “energia vital” e nem sempre dispomos dela em abundância. Se nos sentimos sugados ao dar conselhos para alguém, vale avisar ao outro seu próprio limite. Seu amor e cuidado não morrem por esse ato, pelo contrário, cresce em você a possibilidade de se cuidar para cuidar do outro. Encaminhar essa pessoa a um acompanhamento profissional ou a redes de apoio do seu ciclo social são atos de carinho consigo e com quem quer o conselho.

Outras vezes nos depararemos com o dilema do outro e também compartilharemos a dúvida, ou seja, não saberemos o que fazer. Compartilhar a dúvida é se colocar em um lugar de horizontalidade também, já que não se trata de ter uma resposta pronta, mas talvez de poder estar com ele na própria indecisão.

Vale lembrar que é muito importante não desprezar a dor da pessoa. Às vezes para acabarmos o assunto mais rápido falamos que “isso vai passar logo”, ou que “isso não é nada”. Sem querer, isso pode aumentar o sentimento de desamparo da pessoa, que se sente insuficiente para lidar com as próprias questões. Às vezes um “eu estou aqui” é melhor do que isso.

Isso nos leva a pensar no tópico final dessa reflexão. Para nossas sociedade é muito difícil se deparar com o problema sem resolvê-lo o quanto antes. Muitas vezes, nos apressamos em soluções rápidas sem compreensões profundas dos que formou aquele problema. O resultado disso é ter as coisas resolvidas no plano aparente, mas que quase sempre voltam a se apresentar de um jeito diferente. Isso acontece porque não cuidamos dos padrões que nos levam a esse mesmo tipo de problema. Não preciso dizer que é aí que a psicoterapia atua, não é? 

Você não precisa ser terapeuta de sua amigo, ou de seu familiar, aliás, nem deve, pois esse não é o seu papel. Indicar ele pode ser suficiente. Algumas vezes, somos convidados a compartilhar o não saber, e isso exige uma postura de “sustentação silenciosa”. Apostamos que o encontro autêntico com o outro e o tempo para se deparar com a questão, a profundar e a cuidar bastam por si só.



Cristina Gonçalves de Abrantes

Psicóloga CRP 06/135259 E-mail: cristinadeabrantes@gmail.com

WhatsApp: (11)96395-4679






espaço vazio
espaço
 
Site Seguro Guia de Massagem ®