login
área do
anunciante
anuncie
divulgue
seus serviços!
pt
Idioma Atual
espaço
 
Topo menu
 
 
Cadastre seu e-mail para ficar informado sobre as novidades do Guia de Massagem.
Base menu
 
 
Selo Certificado SSL

espaço


Publicado em 23/10/2017
Compartilhar com o Facebook Compartilhar


O Yoga na Massagem Thai – parte I

 

Relação da Massagem com o Yoga Clássico

É muito comum comparar a massagem thai com o yoga clássico devido a suas posturas e alongamentos passivos realizados pelo massoterapeuta durante a massagem. A Massagem Thai ficou, inclusive, muito conhecida no ocidente como “yoga do preguiçoso”. Mas a ligação entre as duas práticas vai muito além da aparência e semelhanças superficiais.  

Vários praticantes e buscadores, pesquisadores das vertentes e origens desta técnica milenar, encontraram evidências de que há uma constelação de influências vindas do Hatha Yoga, da Medicina Ayurvédica Indiana, da Medicina Tradicional Chinesa, do Budismo e, provavelmente, de práticas médicas populares do sudeste asiático que moldaram a técnica tailandesa, também chamada tradicionalmente de Massagem Antiga, Nuad Boran.

Na Tailândia, a relação entre a filosofia do Yoga e a Massagem Thai é permeada, principalmente, pelo respeito e gratidão ao Mestre-Pai Doutor Jivaka Kumar Bhaccha, ou também, Dr. Shivago Komarpaj, considerado o Pai da Medicina Tradicional Thai e o precursor da técnica que hoje conhecemos como Massagem Thai Yoga. Dr. Jivaka era indiano, yogui e médico ayurvédico de Buda e de seus seguidores, há mais de 2.500 anos atrás. Suas curas são relatadas em algumas escrituras antigas, ou cânones budistas, encontrados no antigo Sião.

A verdadeira história e o desenvolvimento da massagem thai ainda é algo rodeado de mistérios que os tailandeses preferem preservar como uma forma de manter a nossa curiosidade ocidental e, também, proteger sua cultura seus valores tradicionais. Mas é muito provável que o desenvolvimento da Massagem Thai como arte de cura tenha sua origem na teoria yogue de que nosso corpo e mente são constituídos por 5 Koshas (corpos) ou invólucros inter-relacionados, descritos em textos indianos do Hatha Yoga como:
Imagem 17 de O Yoga na Massagem Thai – parte I


1. Anamaya Kosha: o corpo físico;

2. Pranamaya Kosha: o corpo energético ou de “prana”, é o campo energético que sustenta o corpo físico e é o foco para o Hatha Yoga, a Massagem Thai e a maioria das práticas de cuidados à saúde orientais;

3. Manomaya Kosha: as funções da mente relacionadas aos estímulos sensoriais, desejos, dúvida e confusão;

4. Vijnanamaya Kosha: as funções da mente relacionadas ao discernimento e à sabedoria;

5. Anandamaya Kosha: o corpo da felicidade associado à nossa essência espiritual.

Através da Massagem Thai, todo o corpo físico, Anamaya Kosha, é tocado com a intenção de movimentar o “prana” no Pranamaya Kosha, a partir da visão da anatomia energética do ser humano. 


O Corpo Energético e a Massagem Thai

Na Medicina Tradional Thai a massagem é uma parte importante dos tratamentos e formas de se abordar uma doença ou sintoma de desequilíbrio na saúde do ser humano. Diversos fatores devem ser considerados e a manipulação do corpo físico vai atuar, principalmente, no corpo energético, assim como os tratamentos com plantas medicinais, banhos, chás e alimentos atuam no corpo físico, mais diretamente.

Neste sentido, quando recebemos ou aplicamos a Massagem Thai Yoga estamos, como na prática do Yoga, focados no equilíbrio do Pranamaya Kosha, da força vital invisível que anima toda a vida e está presente também no mundo físico, nos alimentos, na água e no ar que respiramos.


Imagem 18 de O Yoga na Massagem Thai – parte I
O prana, ou vento (VAYU), o elemento ar (LON em tailandês), é a ligação entre o corpo físico e a mente. Assim como o relevo e a geografia de determinados pontos da Terra determinam a circulação das águas no planeta, subindo à superfície em minas, fontes, formando rios, corredeiras, remansos, lagos, cachoeiras, afluentes, até alcançar os oceanos, o vento circula pelo corpo de diversas formas até encontrar sua origem universal, a fonte da criação. 

Nos textos de Hatha Yoga, o prana é descrito como circulando pelo corpo através de uma extensa rede de canais invisíveis chamados nadis (72.000 é o número tradicional conhecido no ocidente, mas podem existir mais). Os três canais principais são ida e pingala nadi, correndo no lado esquerdo e direito da coluna, respectivamente, e shushumna nadi, o canal central ao longo do qual se originam os chakras, ou 7 vórtices energéticos principais. 


As Linhas de Energia do Corpo

No contexto teórico da Massagem Thai aborda-se o corpo através da mesma visão do pranamaya kosha, mas os canais invisíveis por onde percorre o prana - os nadis – são chamados de "sen sib", ou “dez linhas”.  Tradicionalmente, acredita-se que existem dez (sib) linhas (sen) principais que percorrem o corpo todo e é por esta rede de linhas imaginárias que a energia vital circula. 

Embora os nadis / sen sejam invisíveis, na prática da Massagem Thai podemos tocar pontos anatômicos e áreas de tecido mole do corpo onde é possível detectar o funcionamento do sen principal. A relação histórica entre Hatha Yoga e Massagem Thai se torna mais evidente nesta visão dos canais de energia, pois as três principais linhas de sen em torno da coluna, sen Ittha, sen Pinkala e sen Sumana, são as mesmas nomeadas pelo sistema indiano. 

Tanto a Massagem Thai como a prática regular do Yoga, promove a saúde equilibrada do ser humano ao propiciar e cuidar do fluxo natural do vento, ou prana, desbloqueando os canais fechados ou obstruidos, levando a força vital para todos os sistemas do corpo físico. 

Em termos simples, as práticas de mente e corpo de Hatha Yoga são orientadas em torno da purificação e remoção de bloqueios nos nadis e para fazer subir o prana no canal central de shushumna nadi com o objetivo de ativar os chacras como meio para nossa evolução espiritual.  Quanto mais a Massagem Thai se aproximar deste mesmo contexto, mais benefícios o processo poderá trazer para nos ajudar em nosso desenvolvimento espiritual e crescimento pessoal (embora isso não seja tão simples assim!). 

Os chacras geralmente não formam uma parte específica da teoria da Massagem Thai, mas podem ser influenciados quando os bloqueios no sistema prânico são liberados; um praticante intuitivo pode influenciar os chacras através de um toque sensível, propiciando uma abertura ou expansão da consciência em quem recebe a massagem.

A relação mais importante entre as duas práticas corporais é como as duas disciplinas compreendem e trabalham com saúde e doenças. Os bloqueios dentro do pranamaya kosha são vistos como sintomas que podem preceder ou subjugar a doença física real. 

A massagem e o yoga são excelentes formas para abordar os sintomas neste nível sutil, antes de se tornarem problemas de saúde física ou resolver esses problemas mais perto de sua fonte. Esses tipos de sintomas (no corpo energético) tem características diferentes dos sintomas das doenças físicas e só podemos estar cientes deles através de nossos instintos e intuições que podem nos dar indícios ou sinais de que algo não está bem. 







Valéria Mudita 

Prof.a. Massagem Thai Yoga, coordenadora do Núcleo de Massagem Thai, Meditacao e Artes. 
End.: Rua Pelotas, 45 B sobreloja Vila Mariana São Paulo
E-mail: valeriamudita@gmail.com 
Cel.: 11 99862-3320
















espaço vazio
espaço
 
Site Seguro Guia de Massagem ®